segunda-feira, 12 de março de 2012

QUEREMOS SEMPRE IDEALIZAR O PASSADO?

Quando posso, fico observando o comportamento das pessoas, suas falas e atitudes, nossos atos e significados e cada vez mais me convenço de que, queremos sempre repetir o passado, ou quem sabe, refazê-lo de forma melhor. O passado é sempre belo, mesmo que ele não nos traga as melhores lembranças e sensações. Quanto mais distante ele fica, mas saboroso o é!

Estamos sempre à procura do novo, do atual, do ainda encantandor, mas a verdade é que a vida é como já foi um dia. Ela era melhor antes? Vem se tornando mesnos saborosa? Queremos sim, ser felizes, ter família grande, ser aceito na sociedade, ser reconhecido, ser amado por alguém. A família que queremos por exemplo, é aquela ainda feita de pai, mãe, irmãos, cachorro, gato, plantas, barulho, e essa família, está cada vez mais rara. Ficou registrado na história somente. 

Queremos mesmo que o passado volte, quando pensamos em crianças que brincavam mais, eram mais criativos, usavam o que tinham e brincavam o dia inteiro. Ir a escola, era de fato um processo de aprendizagem e não, em grande parte, um risco de vida. A gente prefere o passado, quando a adolescência era de fato vivida e não somente inventada e ir ficando adulto, era um acontecimento e não um simples trocar de idade. 

Nossa saudade é mesmo construído de um passado sem tanta violencia, do pique esconde na rua, das igrejinha do interior, das festinhas só com conhecidos,  da comidinha caseira e cheirosa da avó. Passado que hoje podemos atestar: Quanta sabedoria tem os nossos avós, ainda que muitas vezes, analfabetos. O passado que queremos refazer, era cheio de energia, de gritos e barulhos, de abraços, de pequenos presentes e de grandes agradecimentos. Passado bem mais grato.

As músicas do passado, eram melhores? As cores e cheiros eram mais saborosos? Os preconceitos eram menos cruéis? As pessoas se cumprimetavam mais? Educar era mais fácil? Sem duvida há um passado que é um presente colocado a todo momento em nossa vida e recusá-lo por der um presente que deixamos de ter e que nos machuca. Esquecer o passado é talvez, não ver um futuro que nos convida a todo instante e que  nos envolve a construí-lo. 
 
As amizades eram mais sinceras? Os relacionamentos duravam mais? As pessoas eram mais verdadeiras? Reinventar o passado e fazê-lo acontecer de novo, seria pedir que as pessoas se respeitassem mais, que a figura do vizinho voltasse a existir, que os valores que nossos avós nos ensinaram continuassem a existir e que cada vez mais, a gente imitasse nossos pais.

Os erros que cometemos no passado, sempre são aqueles que esperamos não comenter de novo. Mas até esses, parecem que as vezes, gostaríamos que acontecessem novamente, so para zerarmos o cronometro e refazer uma nova história. Como no passado, evitamos o sofrimento, perseguimos a felicidade, somos obstinados pelo sucesso e todos os dias, estamos na frenética briga pela sobrevivência.  

Tal qual no passado, nós só queremos viver o presente sem rasgar o embrulho que a vida o embala.
 

Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, especialista em educação especial e inclusiva e professor universitário em Goiânia-GO.