quarta-feira, 1 de março de 2017

BEM-VINDO MARÇO



De março de 2016 para cá, tanto se chorou, tanto se nasceu; muitos morreram, outros partiram, centenas sumiram, alguns se mataram. Há os que se casaram; há os que quiseram se separar. Uns chegaram em nossas vidas, outros se foram. Adoecemos, perdemos, ganhamos, choramos e sorrimos muito. Viajamos, ficamos inertes, ensandecidos, descobrimos, mentimos, escondemos, julgamos e até falamos a verdade. Mudamos embora sem querer. 

De lá para cá, muita água passou debaixo da ponte. Muita água parou. Muito mosquito se fez. Muito mosquito matou. Ficamos mais velhos. Bobo também. Foi muito ruim ver algumas pessoas dependendo de nós, mas pior ainda foi nos vermos dependendo de algumas pessoas. Dizem que é em ti que as chuvas se despedem. 

Nos teus dias comemora-se o dia do circo, da água, da saúde, da nutrição, dos animais, da escola, da juventude e o da terra. Nos teus dias há mais poesia, há mais flores... Teu nome já foi cantado e contado em prosas e versos. Dos teus dias deram às mulheres apenas um, mas sabemos que todos os dias são delas. A quaresma esse ano começa contigo. 

Sabe março, você terá 31 dias, para que as tuas águas levem para longe as dores, tristezas, mágoas, incertezas, medos, dissabores e solidão. Que suas águas Março, traga a fartura da colheita, das flores, do fruto, da semente e dos grãos. Que teus dias nos faça repensar a paz, o amor e a união dos povos. Que as tuas horas sejam de reflexão e de muitas descobertas. Até março de 2018, pouco, muito pouco será diferente e ainda iremos chorar pelos mesmos motivos de hoje.


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, pedagogo, escreve e faz palestras, especialista em educação especial e inclusiva, especialista em docência do ensino superior e professor universitário em Goiânia-GO.