quarta-feira, 9 de maio de 2018

ADOLESCENTES, LEIAM COM CALMA.




A taxa de jovens adolescentes que se suicidam tem aumentado no Brasil. De 2002 pra cá, esse número chega a quase 10%. Jovens, presta atenção, leia com calma.

Esta etapa da vida é a hora de começa-la e não de terminá-la. Às vezes nossa cabeça vira uma verdadeira bagunça. Surgem sentimentos e cobranças, exigências e medos, surgem algumas apostas que fizeram para nós e isso gera um conflito cruel.

Algumas situações nem você, nem seus pais, nem seus amigos vão entender e isso será normal, porque você está crescendo e amadurecendo. Por outro lado, seus pais estão envelhecendo e você precisa compreender isso. Você está chegando e eles estão indo. Seja paciente com você mesmo e com eles, pois você é o maior patrimônio deles.

A incerteza e a insatisfação com quase tudo que te rodeia será constante, mas isso não é o fim. Na vida não teremos certeza de quase nada e a insatisfação é um dos sentimentos que nos faz manter vivos. O vazio que você sente às vezes, não é solidão. É vazio mesmo e cuidado para não preenchê-lo com o que não pode preencher.

Às vezes dói e a gente chora. Chore, não tem nada de estranho. Escuta, a vida precisa ter um sentido construído todos os dias: estude, trabalhe, cultive seus amigos, tenha orgulho de suas conquistas ainda que pequenas, leia bons livros, converse, desabafe, namore (se tiver sentimento), erga usa cabeça e não gaste sua energia emocional com o que não compensa.

Eu sei, são tantos sonhos planejados e não se mutile se eles não se realizarem. Na vida, nem sempre iremos ganhar. Não tente resolver suas angustias com as drogas, por exemplo, elas somente irão te prejudicar. Nunca esqueça que sempre há uma solução para o que parece impossível. Tirar sua vida, jamais.

Ao seu redor, tem pessoas que te amam e seria difícil demais continuar vivendo sem a sua companhia. Combinado? Se precisar de um ombro e de alguém que te escute, vença a timidez e procure.

Já Já tudo isso passa!


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, pedagogo, escreve e faz palestras, especialista em educação especial e inclusiva, especialista em docência do ensino superior e professor universitário em Goiânia-GO.

VALORIZE-SE



   
Não esqueça que, valorizar a pessoa que você escolheu para estar do seu lado, não pode estar ligado a você se isolar das pessoas, a parar de falar e sair com seus amigos, ou entregar suas senhas e sair das redes sociais.

Pense, que se você precisa anular metade de quem você é para estar com alguém, ou você está com a pessoa errada ou ainda precisa continuar sozinho. Não tire de mente, que o equilíbrio resolve muitas questões e conviver com alguém de forma mais íntima, é um indício forte de crescimento emocional. Por outro lado, ficar sozinho é também um indício forte de maturidade. Anular o outro, é sempre um sintoma revelador de uma personalidade que não nos fará bem.

Não se anule. Não deixe que o outro te anule. Relacionar é um processo de compartilhamento e não de submissão. O amor, dá voz, dá vida e faz com que o outro se torne e se faça melhor. Em uma relação onde o outro precisa ser silenciado para que ele sobreviva, é um relacionamento que não deve existir. Não confunda jamais, viver de sentimentos e viver mendigando sentimentos.


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, pedagogo, escreve e faz palestras, especialista em educação especial e inclusiva, especialista em docência do ensino superior e professor universitário em Goiânia-GO.

JESUS




Sabendo que desejas conhecer quanto vou narrar, existindo nos nossos tempos um homem, o qual vive atualmente de grandes virtudes, chamado Jesus, que pelo povo é inculcado o profeta da verdade, e os seus discípulos dizem que é filho de Deus, criador do céu e da terra e de todas as coisas que nela se acham e que nela tenham estado; em verdade, ó César, cada dia se ouvem coisas maravilhosas desse Jesus: ressuscita os mortos, cura os enfermos, em uma só palavra: é um homem de justa estatura e é muito belo no aspecto, e há tanta majestade no rosto, que aqueles que o veem são forçados a amá-lo ou temê-lo. Tem os cabelos da cor amêndoa bem madura, são distendidos até as orelhas, e das orelhas até as espáduas, são da cor da terra, porém mais reluzentes.

Tem no meio de sua fronte uma linha separando os cabelos, na forma em uso nos nazarenos, o seu rosto é cheio, o aspecto é muito sereno, nenhuma ruga ou mancha se vê em sua face, de uma cor moderada; o nariz e a boca são irrepreensíveis.

A barba é espessa, mas semelhante aos cabelos, não muito longa, mas separada pelo meio, seu olhar é muito afetuoso e grave; tem os olhos expressivos e claros, o que surpreende é que resplandecem no seu rosto como os raios do sol, porém ninguém pode olhar fixo o seu semblante, porque quando resplende, apavora, e quando ameniza, faz chorar; faz-se amar e é alegre com gravidade.

Diz-se que nunca ninguém o viu rir, mas, antes, chorar. Tem os braços e as mãos muito belos; na palestra, contenta muito, mas o faz raramente e, quando dele se aproxima, verifica-se que é muito modesto na presença e na pessoa. É o mais belo homem que se possa imaginar, muito semelhante à sua mãe, a qual é de uma rara beleza, não se tendo, jamais, visto por estas partes uma mulher tão bela, porém, se a majestade tua, ó César, deseja vê-lo, como no aviso passado escreveste, dá-me ordens, que não faltarei de mandá-lo o mais depressa possível.

De letras, faz-se admirar de toda a cidade de Jerusalém; ele sabe todas as ciências e nunca estudou nada. Ele caminha descalço e sem coisa alguma na cabeça. Muitos se riem, vendo-o assim, porém em sua presença, falando com ele, tremem e admiram.

Dizem que um tal homem nunca fora ouvido por estas partes. Em verdade, segundo me dizem os hebreus, não se ouviram, jamais, tais conselhos, de grande doutrina, como ensina este Jesus; muitos judeus o têm como Divino e muitos me querelam, afirmando que é contra a lei de Tua Majestade; eu sou grandemente molestado por estes malignos hebreus.

Diz-se que este Jesus nunca fez mal a quem quer que seja, mas, ao contrário, aqueles que o conhecem e com ele têm praticado, afirmam ter dele recebido grandes benefícios e saúde, porém à tua obediência estou prontíssimo, aquilo que Tua Majestade ordenar será cumprido.

Vale, da Majestade Tua, fidelíssimo e obrigadíssimo…"

(Carta do senador Publius Lentulus Cornelius (27 AC a 14 DC), encontrada nos arquivos do Duque de Cesadini na cidade de Roma, enviada pelo senador em Jerusalém na época de Jesus, que havia sido endereçada ao imperador romano Tibério César.


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, pedagogo, escreve e faz palestras, especialista em educação especial e inclusiva, especialista em docência do ensino superior e professor universitário em Goiânia-GO.

O PODER DA DECEPÇÃO

Com certeza, cada um de nós conheça uma pessoa que já tenha se decepcionado. É provável, que você já tenha se decepcionado e quem sabe...