domingo, 21 de julho de 2013

APRISIONADOS PELO PASSADO

E parece mesmo, que Albert Einstein tinha razão, quando disse que a distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente. E para algumas pessoas, essa frase tem um sentido muito maior. Elas vivem de todas as formas, regidas pro forças que há muito tempo já ficaram para trás. Elas são aprisionadas pelo passado.

A razão que nos faz ver além das formas eleva o pensamento humano e representa uma força superior à matéria. Cada um dentro do seu mundo estabelece as suas verdade e tenta, através delas, introduzir o seu elemento justificativo o qual pertence a uma ordem de ideias individual.

Coloco-me a pensar, sobre como deve ser a razão dessas pessoas, que deixam de viver o presente, para prender-se a um passado que por certo, não pode mais ser alterado. Não se pode esquecer, que esse passado possui verdades e virtudes, que já foram dissolvidos com o tempo e pelas oportunidades que surgem à todo instante em nossa volta.

Seja num amor que não se consumou ou no amor que se consumou mas não durou. Quem nunca teve um "amor" que deveria ter tido vida ou um "amor" que não deveria ter surgido? Quantos de nós, perdemos no passado algum valor que mesmo com os anos que virão, não os teremos de volta. Talvez seja uma dor moral, talvez seja um familiar, talvez seja uma conquista, quem sabe uma dor espiritual que necessite de perdão.

Sabemos que somos imersos em sentimentos e saudades que nos alteram a consciência, em valores que ressuscitam medos e descobertas. Mas o presente está ai! Ter tido a chance de viver um novo presente, significa caminhar adiante, significa fechar ciclos, significa resolver lacunas e claro, significa permitir-se de novo.

Conheço pessoas, que se libertaram desse passado e hoje, descobriram um novo momento de suas vidas. E é notório, o quanto estão mais felizes, mais autênticos, mais verdadeiros e seguro em suas demandas. A libertação de um passado amargo e sombrio gera em nós, mais saúde, mais risos, mais amigos e claro, uma autoestima sem igual. 

Não é exagero dizer, que as pessoas que convivem com o seu passado de forma saudável, até adoecem menos. Nosso corpo, responde a todas as nossas dores emocionais e grande parte delas, são eliminadas quando vamos nos libertando daquilo que nos aflige, e nos aflige há anos.

E você, já pensou o quanto tem mentido pra você mesmo sobre o seu passado? Já pensou o quanto tem dito que perdoou e esqueceu, quando na verdade engole diariamente  o fel de um passado que não passou? Já pensou o quanto poderia ser feliz com aquele novo amor, se acreditasse pra valer, que aquele que passou não é seu e não será mesmo? Já parou pra pensar, que muitas vezes, você poderia conviver melhor com isso que tem, ao invés de lamentar o que não tem e não vai ganhar?

Pense nisso. Liberte-se!

Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, especialista em educação especial e inclusiva, especialista em docência do ensino superior e professor universitário em Goiânia-GO.