sábado, 6 de agosto de 2011

DEPOIS DOS 30...

Não. Hoje não é meu aniversário, nem se trata de homenagear alguém que o faça hoje. Mas já passei dos trinta e gostaria de pensar um pouco sobre como nos sentimos após essa idade ou após eles. Nós mudamos nossos comportamentos e nossa forma de enxergar a vida, mas nem sempre nos atentamos ao que ganhamos de bom com tantas mudanças. 


Geralmente é só depois dos trinta, que passamos ver a família sob outra ótica. Seja os pais, irmãos, avós, filhos. A impressão que temos é que nessa etapa, essas pessoas passam muito mais a ter qualidade em nossas vidas, do que necessariamente o quanto eles estão presentes em nossos momentos.  Nessa mesma época, Deus e/ou religião passa a ter outro sentido, outro valor e cada um vai criando consigo, à medida que consegue suportar o seu "religare".


É verdade que depois dos trinta, algumas feridas doem mais, são mais agudas e algumas lembranças batem mais fundo e até algumas dores demoram mais a sumir. Em contrapartida, outros pesos e medidas que sempre levamos, passam a ter outro fardo, outros significados. Ficamos mais sentimentais, mais sensíveis, mais tocáveis. Trocamos preço por valor e valentia por ousadia.

Somente após os trinta é que damos valor de fatos às amizades. Será? Poucas na verdade, mas valorosas! Mas aprendemos a distinguir o que é ter alguém por perto e descobrindo junto com isso, que há pessoas que podemos contar, mesmo se esta estiver longe. No campo profissional, parece que é aps esses anos, que começamos a andar com as próprias pernas, que começamos a descobrir de fato o que gostamos de fazer e claro, a conquistar nosso espaço e fazer nosso nome.

Após os trinta, aprendemos a ouvir mais, a falar melhor, a agir com mais cautela, a descobrir com mais prazer. As dúvidas são mais elaboradas, as incertezas mais amenas, as certezas mais cruciais, os medos bem menores, os planejamentos mais sólidos e os cheiros mais apetitosos. Dizem que as viagens são mais saborosas, as bebidas possuem um outro sabor e a maioria dos nossos atos passam a ter significados e ressiginificados.

Será que o grande amor, vem mesmo só após os trinta? Antes, temos tantas idas e vindas, voltas e recomeços e parece que tudo isso faz parte do dia a dia. Mas chega um momento, que ter um grande amor é necessário, não somente porque precisamos fugir da solidão, mas porque precisamos ser o grande amor de outro também. É com esses anos, que podemos escrever uma história impregnada de muitos fatos históricos, acontecidos alí atrás, alí, antes dos trinta. 

Se é verdade mesmo, é após os trinta que descobrimos pra valer o poder da auto estima, da segurança pessoal, o que nos desata de alguns nós que pegamos na adolescência. Sem dúvidas, é após os trinta, que passamos a cuidar da saúde com intuito de ter saúde e não apenas vaidade. Nessa época, começamos a entender que se é balada por balada é melhor ficar em casa e que lugares são feito de companhias. 

Mas que data mágica é essa, que para alguns é contagiantes e para outros nem tanto? Do que foram feitos esses dias que construíram os trinta que se foram e ainda juntam-se a vários que ainda estão por vir? Que material é esse, que nos prende e tem sabor mais agradável do que desagradável? 

Pense um pouco no que você fez dos seus trinta anos. Estamos vivendo mais de sabores ou de dissabores?


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, especialista em educação especial e inclusiva e professor universitário em Goiânia-GO.

7 comentários:

Edilson Cravo disse...

Querido Paulo:

Realmente muitas coisas acontecem depois dos 30 (o mais bacana foi vc ter abordado os aspectos positivos). Eu sinto que sou um cara bem melhor depois dos 30 porque consigo ter uma visão da vida e das pessoas que antes não possuía. Com os 30 (na maioria das vezes) vem a maturidade. Linda semana. Abraços.

Teuvo Vehkalahti disse...

Greetings from Finland. This, through a blog is a great get to know other countries and their people, nature and culture. Come take a look Teuvo images and blog to tell all your friends that your country flag will stand up to my collection of flag higher. Sincerely, Teuvo Vehkalahti Finland.

DoUgLaS BaRrAqUi disse...

Ola meu caro amigo,
ainda não estou com 30 mas estou perto, muito perto. Mas os anseios e as alegorias que você me apresentou nesse artigo já se manifestam. Parabéns pelo texto meu amigo. Grande abraço!

e muitas alegrias em decorrência do sucesso para todos nós!

Clenio disse...

Parabens...ainda nao tenho 30 anos( e estou meio distante de estar depois dos 30..hehe)Mas achei sua reflexão bastante sensata..coerente mesmo..Parabens!

Paolo Hollywood disse...

Olá! Achei teu blog super maneiro, tu escreve super bem cara *-*. Tu podería dar uma passadinha no meu blog hã?! Gostaría muito de uma visita tua eheheheheheh olha o link

http://selvamasculina.blogspot.com

Se possível me segue hã?!

Unknown disse...

Agora passei a entender melhor tudo que aconteceu na minha vida após os trinta. Claro que hoje eu já passei dos 40 ; mas as mudanças começaram após os 30. Hoje me sinto muito mais segura, mais mulher; mais feminina aos 42 anos. Grande abraço Paulo e parabéns pelo grande trabalho. !!

Iraí Vaz disse...

Quando muito jovens, fazemos coisas e vivemos como se a vida fosse nunca acabar. Agora quando chegamos aos 30 anos, percebemos que não somos eternos.

TRABALHANDO COM O MEDO INFANTIL

Senhores Pais, é natural e absolutamente normal que suas crianças pequenas sintam medo. Bem como, o nervosismo é um sentimento natura...