segunda-feira, 12 de outubro de 2009

RECUSA AO CRESCIMENTO


Crescer é um processo natural da vida. Partindo dessa primissa é correto afirmar que crescer é um processo inevitável. Correto? Mas é impressionante como algumas pessoas se recusam a crescer. Elas querem ser eternamente crianças. Esse processo é o que chamamos de Egoismo ou ainda Egocentrismo.

Se observarmos atentamente, nossas atitudes e as atitudes das pessoas que estão à nossa volta, veremos o quanto somos esgoistas. Mas até ai, tudo bem. Vezes por outra, é até necessário sermos egoistas e proteger o nosso "território". Não ter um pouquinho de egoismo em nosso dia a dia, seríamos rapidamente chamados de bobos.

Quando essas atitudes começam a ser problema? Quando recusamos a crescer ou recusamos a nos tornar adultos, caracteriza-se problema. O egoista, é aquele adulto ainda vestido de criança e que é rodeado de uma fantasia de que, o mundo, as atitudes, as coisas, os gestos giram em torno de si. Essa "criança" possui como referencial, ela mesma, para a realização de todos os fatos e as suas relações.

O pior para se conviver com pessoas altamente egoistas, é que seus interesses sempre são os mais importantes e faz com que todos se encaixem nesses interesses. Por conta disso, o egoista sofre muito, quando o mesmo não é a prioridade no meio em que convive. Sua ingratidão, faz com que um desejo dele, que você não atendeu, elimine todos os demais que você atendeu.

Toda criança é egoista, egocentrica. Mas ela precisa passar por essa fase, até mesmo para aprender a referência do eu e da sociedade em que ela terá que aprender a viver. A diferença de uma criança e de um adulto-criança egoista, é que a primeira precisa se apegar às pessoas, familia, amigos... já o segundo, apega-se muito rapidamente às coisas. Seria dizer que: aquele que atende suas vontades vira amigo. Se essas vontades não forem mais atentidas, acaba-se a amizade.

Uma das características mais fortes do egocêntrico é fazer o bem. Sim, fazer o bem. Acontece que esse "fazer" tem um preço muito caro, onde aquele presenteado, torna-se preso ao presenteador por conta do presente. Em outras palavras: Fique com o presente e algeme quem te deu. A recusa do adulto em deixar de ser criança, baseia-se num episódio que todos nós já vivenciamos quando criança: "Se nao deixar eu brincar, eu nao empresto a bola. A bola é minha"

Birras, brigas, cenas, choros, soluços, sumiços, marcam as relações de um egocêntrico. Sempre que querem algo, prendem a bola e só entregam em troca de brincar no jogo. Nada se resolve de forma natural, com o uso do bom senso, com a sensatez de um adulto que não precisar chorar pra chamar a atenção nem solicitar piedade. Mas o egoista precisa de platéia.

Nas relações amorosas, há alguns que negociam até o sexo. O beijo. O carinho. Nada é de graça. Algumas negociações parecem ser de graça e essas que são as mais perigosas. Se não muda o comportamento, muda-se o namorado. Se a relação não vai na profundidade de sua necessidade, cria-se ali um problema: O problema da minha carência. Carência cura-se doando. Mas quem disse que o egoista consegue se doar? Pior é se dois egoistas se encontram e resolvem negociar, digo namorar. Quem namora quem?

O egoista não consegue doar, dar de graça, se entregar. Se faz isso, ele vai te lembrar pro resto da vida, o dia em que ele fez e por isso agora, você deve fazer por ele. Ele vai ter dificuldade de te dar a metade da erviha; o outro lado da cama; o ultimo bife assado; esperar alguém que chega na hora e nunca vai mudar de canal no televisor por conta do seu programa favorito. Se há erros, são dos outros. Pra ele fica as justificativas.

Porque isso? De onde vem? Isso pouco importa. O que importa mesmo, é o que você faz com isso e como você lida com isso.


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional e professor universitário em Goiânia-GO.

14 comentários:

Paulo Braccini disse...

Olá sumidão ... tb sentimos falta se sua presença e de seus posts, sempre fortes, contundentes e reflexivos ...

o egoismo e o egocentrismo, infelizmente, é a marca maior do SER contemporâneo, ninguém é capaz de se doar, de compartilhar, de vivenciar uma relação centrada no NÓS ... uma pena mesmo ...

bjux

;-)

Angel disse...

Eu cresci muito rápido... não tenho muitas lembranças da minha infância
e ótima colocação la no meu post
sobre os Bee gees adoro eles tbm
abraços e uma ótima semana!

O Iluminado disse...

Oi...
Muito interessante esse assunto sobre o egoísmo, durante a minha vida toda eu luto pra não ser um tipo de pessoa assim...o bom é dividir...

Ps: o selo vc pode pegar e indicar 6 pessoas..e vc deve responder 6 coisas sobre vc...rs

eu indiquei todo mundo...viu como não sou egoísta? rsrs
abraços

Cristiano Contreiras disse...

Caro, Paulo

MUITO OBRIGADO PELA VISITA AO APIMENTÁRIO! Pena que não tornou-se seguidor ou linkou ele aqui no teu

seu espaço é lindo, organizado e tem otimo conceito! volto sempre, te sigo, abs

Dil Santos disse...

Oi Paulo, tudo bem?
Menino, essa a famosa síndrome de Peter Pan, rsrs.
Acredito que o medo de crescer deve ser tão grande, que esses sentimentos egoístas acabam meio que predominando essas pessoas. Acabam querendo atenção voltada somente a elas, onde o mundo gira em torno de si.
Ótimo texto.
Tbm espero continuar sempre inspirado, rsrs.

Abraços
:)

EDUARDO POISL disse...

Vim pedir desculpa pela minha ausência no teu blogger mais como havia um feriado e trabalho com turismo ficou difícil, mais agora com um pouco menos de trabalho volto a normalidade.

"O que diferencia uma pessoa de outra é o seu imaginário, a interpretação que dá aos fatos da vida." (Tisuka Yamasaki)
Abraços com muito carinho

Jay e Alê disse...

É amigo, bonito o post, bem escrito. Crescer dói, custa muito esforço e sacrifício, vale a pena mas não são todos que conseguem fazer essa travessia na vida sem traumas e perdas significativas.
Enfim, viemos também te avisar que vc foi pra final do concurso PAGUEM O MICO DO Ká Entre Nós, passa lá e confere.
Vlw aeh o Zé Bunitim kkkkk tudo brincadeirinha ahhuahuhuahuahua
Abraço, Alê

Lucad disse...

Hummm... e agora, que eu faço com a criança que há em mim que teima, insiste em ser egoista e ficar com a bola?

Bemmm... meu comentário eu já fiz pessoalmente. De todos seus post's, este ainda estou estudando e rabiscando algumas frases que vou utilizar futuramente (com os devidos créditos, claro).

Abraços e... se não sabe brincar, melhor não descer pro play.

Bento disse...

eu acho que sou um misto, muito mãos dadas numas coisas, noutras considero-me mesmo egoísta, mas acho que não é nada fora do comum abraço

Jay e Alê disse...

Oi Paulo.
Estamos aqui pra avisar que vc ganhou o prêmio "MICO" do Ká Entre Nós. Vamos fazer uma postagem especial em breve pra anunciar a todos sua vitória kkkkk
Enfim gostariamos que vc participasse da campanha organizada pelo Ká Entre Nós. Contamos com sua aprticipação e divulgação ok?
Abraço nosso.

Anônimo disse...

Paulo Veras, esse texto não é apenas um texto. É um artigo e muita gente precisa ler isso. A linguagem está clara e muito fácil de ser entendido. Abraços

Daniel

Ausência Instável disse...

Oláaa ....

Obrigado pela visita.

Realmente, ser criança é uma fase na qual aprendemos apenas ser crianças, aonde a responsabilidade não existe. E uma virtude que eu não tive muito, e hoje em dia eu tento viver um pouco esse lado.

Obrigado mais uma vez.

Aparece mais vezes ...
Abraços

Fernanda disse...

O ruim de pessoas que continuam com atitudes de crianças é que elas difilmente mudaram...mas enfim,as crianças nos fazem ter esperança no mundo.

Rond disse...

Crescer dói. Mas continuar criança não dah, portanto, o negócio eh viver.

TRABALHANDO COM O MEDO INFANTIL

Senhores Pais, é natural e absolutamente normal que suas crianças pequenas sintam medo. Bem como, o nervosismo é um sentimento natura...