quarta-feira, 8 de abril de 2009

CONTRADIÇÃO

Um riso de choro
Um grito abafado
Um passo parado
Dormindo acordado.

Mel com limão
Açucar com sal
Azedo com doce
Amargo normal.

Sanidade e loucra
Com ódio e amor
Com dúvida e certeza
Alegria e rancor.

Sábio ou tolo
Sem força ou fraqueza
Sozinho contigo
Sem zelo com gosto.

Verde e amarelo
Branco e preto
Azul e Lilás
Scarlata vermelho.

Um frio com calor
Inverno e verão
Primavera e Outono
Crepúsculo e Arrebol.


Paulo Veras é psicólogo.

8 comentários:

Artur disse...

Que poeminha mais lindo...
Gostei das nossas contradições.
Abraços

Artur

Anônimo disse...

Me desculpa o "carinha" ai de cima, mas citar essa obra como "Poeminha" foi triste.

"O silêncio oportuno é mais eloquente do que o discurso."

Agora tenho que concordar com algo, é realmente lindo.

Continuamos na espera por novas e deliciosas leituras.

Desculpa a sinceridade...huahuhua.

Marisa disse...

Pessoal, poesia nao tem que se discuti nao. Tem so que ler e sentir. Refletir. Pensar.

Marisa!

Lucad disse...

ei, "anonimuzinho" eu também achei um poeminha super legal. O diminutivo não diminiu a densidade do poema.

Valeu Paulinho! Sempre trazendo coisas interessante para postar aqui.

Abraço.

Lucad disse...

*
diminiu = diminui

Thiago Souza ü disse...

Chato entrar aqui e ver um clima pesado, srsrsr.
Concordo , poesia não se discute,Srº Paulo causando polêmica...kkkk
Adorei o texto,parabéns novamente por este belo texto.Agora vamos quebrar este clima e ser feliz!!!!
Thiago Souza

Cintia disse...

Amei o poema.
Obrigada por nos brindar com seu saber.

Beijos

denisley disse...

olá .
ecelente parabens pelo poema
realmente nos vivemos nesse mundo contraditorio queremos algum e não nos esforçamos al veses por isso
wlw me fez pensa e refletir sobre meu futuro
abraços denisley niquelandia