quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

NINGUÉM DEVE TER A OBRIGAÇÃO DE NOS FAZER FELIZES




Na realidade, aquela mesma, que às vezes é bem dura e difícil, sabemos que é muito frustrante quando depositamos as nossas expectativas nas pessoas e elas nos frustram. Esta relação é de mão dupla, e dói também quando decepcionamos os outros.

As relação são feitas assim e a verdade é que algumas pessoas vão nos decepcionar sempre e nós vamos decepcionar outras. Precisamos aprender a não atribuir a ninguém a responsabilidade de nos fazer feliz.

A nossa felicidade é responsabilidade nossa, exclusivamente nossa e de fato, não é a informação mais confortável que vamos descobrindo. Desde muito cedo, somos ensinados a ter sempre a aprovação e o mimo do outro. Grande parte de nossas dores emocionais decorrem desta frustração.

Claro que grande parte de nossas alegrias são frutos também das relações que estabelecemos com outras pessoas, sejam no trabalho, nas relações amorosas ou nas nossas amizades. Mas se não estivermos bem conosco mesmo, nada disso terá valor. Deve sempre partir de mim, aquilo que busco ter e viver.

Todos os contatos que vamos construindo, vão fazendo as nossas relações. Estas relações no entanto, só poderão ser bem sucedidas se eu estiver aberto a receber o que elas podem me oferecer. Portanto, pensar tão somente que o outro sozinho é o responsável pela nossa felicidade, faz nos prender aos nossos ideais e as nossas expectativas e o outro não tem a obrigação de corresponde-las.

Se analisarmos com calma, vamos percebendo as várias oportunidades que perdemos para ser mais feliz ou pelos menos, para ter um pouco mais de alegria, mas deixamos a cargo do outro e este outro ideal, não existe. 


Paulo Veras é psicólogo clínico e organizacional, psicanalista, pedagogo, escreve e faz palestras, especialista em educação especial e inclusiva, especialista em docência do ensino superior e professor universitário em Goiânia-GO.

Nenhum comentário:

SE TE APAGA, NÃO TE APEGA

Com o tempo vamos conseguindo nos desapegar. É um exercício quase que diário e que requer uma boa dose de consciência. Quando temos a...